A carregar...
Última actualização: 07-02-2019 Publicado a: 07-02-2019
Feed RSS
Concurso de Ideias para Economia Circular | Atribuição de Prémios

Concurso de Ideias para Economia Circular | Atribuição de Prémios

Desde 2015 que a CCDR LVT abraçou o desafio da transição para a Economia Circular. Nesse âmbito, lançou, em agosto 2018, o Concurso de Ideias para a Economia Circular*, visando estimular o desenvolvimento e a apresentação de ideias e soluções concretizáveis com base na aplicação dos princípios da circularidade, que contribuam para acelerar a transição na Região de Lisboa e Vale do Tejo.

 

Foi dada liberdade total de escolha quanto ao tipo de solução de negócio, tema ou atividade, sendo que se pretendiam ideias ainda em fase de conceptualização, sem necessidade de plano de negócio desenvolvido ou de empresa constituída. O prazo para a receção de candidaturas ao Concurso de Ideias para a Economia Circular encerrou no passado dia 30 de outubro e as 19 propostas rececionadas foram avaliadas pelo júri do concurso, tendo os resultados respetivos sido comunicados em conformidade com o definido nos Termos de Referência. Às três melhores ideias foram atribuídos prémios de 8000, 3000 e 900 euros, respetivamente.

 

As três propostas vencedoras foram as seguintes:

1. Primeiro prémio: “Boutique Oxala!”  Resumo da ideia (retirado do formulário de candidatura): “A partilha de materiais gera benefícios económicos e ambientais (minimizam-se emissões, materiais extraídos e resíduos). Faz-se mais com menos. Lisboa e Vale do Tejo tem uma elevada concentração populacional – a partilha de bens tem aqui um enorme potencial. A Boutique Oxalá é uma plataforma digital de partilha de recursos. Que recursos? Eletrodomésticos, móveis, livros, roupa de cerimónia, material para bebé, ferramentas, entre outros. Uma boutique de economia circular, Oxalá!”

 

2. Segundo prémio: “Centros de partilha de ferramentas e equipamentos domésticos” Resumo da ideia (retirado do formulário de candidatura): “Porque muitas das pequenas ferramentas domésticas que utilizamos escassas vezes durante o ano, como chaves de parafusos, alicates, martelos, berbequins, escadotes, equipamento específico de limpeza (ex vaporetto ou enceradora) ou material de jardinagem, poderiam ser significativamente reduzidas em número se fossem partilhadas por apartamentos de um edifício ou mesmo de uma área habitacional/condomínio, propõe-se que sejam criados centros de partilha, locais onde os “condóminos” do edifício ou de uma zona habitacional podem requisitar a sua utilização temporária.”

 

3. Terceiro prémio: “À Nossa! – Cerveja de Pão” Resumo da ideia (retirado do formulário de candidatura): “Em Portugal, como noutros países, o pão está no topo dos alimentos mais desperdiçados, tanto a nível doméstico como de retalho (padarias, pastelarias, supermercados, etc.). Em alternativa, o excesso de pão pode ser usado como ingrediente para produzir cerveja (substituindo cevada maltada), desviando-o do lixo a que estava destinado e convertendo-o em matéria-prima para um novo produto de valor. Este é o grande potencial da economia circular!”

 

*Este concurso foi lançado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR LVT), de acordo com cf. art.º 219º-J e conjugado com o n.º 5 do art.º 219.º-A ambos do Código dos Contrato Públicos, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 111-B/2017 de 31 de agosto.

Pesquisar notícias:
Visite-nos Facebook Twiter You Tube