Imprimir    

Resultados na Região de Lisboa e Vale do Tejo

Disponibilização regular de informação 
Estatísticas anuais

Índices anuais
Resultados da avaliação da qualidade do ar 



Disponibilização regular de informação

 

Os dados obtidos nas estações das redes de monitorização da qualidade do ar das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve) e Direções Regionais do Ambiente e Ordenamento do Território dos Açores e da Madeira são disponibilizados diariamente na base de dados on-line da qualidade do ar - QualAr.

 

Neste website são disponibilizados diariamente os dados das estações de monitorização, com uma validação preliminar, atualizados hora a hora. A validação definitiva dos dados é feita no final de cada ano pelas CCDR, sendo estes disponibilizados neste website a partir de outubro do ano seguinte, sob a forma de concentrações médias horárias. Os dados de qualidade do ar mais recentes, que ainda não têm validação definitiva no QualAr e que não se encontram disponíveis para download, devem ser solicitados à CCDR LVT.

 

No QualAr são também disponibilizados índices diários de qualidade do ar que têm como objetivo divulgar diariamente uma informação simples sobre a qualidade do ar, facilmente compreensível pelo cidadão comum. O índice traduz, através de um indicador único e por intermédio de uma escala qualitativa composta por 5 classes (mau, fraco, médio, bom e muito bom), a qualidade do ar das várias zonas do território nacional, com base nas medições dos poluentes dióxido de azoto, dióxido de enxofre, monóxido de carbono, ozono e partículas PM10.

 

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, o índice diário de qualidade do ar é disponibilizado para as suas 4 zonas, sendo calculado com base nas medições efetuadas nas estações da Rede de Monitorização da Qualidade do Ar da CCDR LVT. Nas aglomerações da Área Metropolitana de Lisboa Norte e Área Metropolitana de Lisboa Sul são também calculados índices específicos para as cidades de Lisboa e Barreiro, respetivamente.

  

No QualAr são ainda apresentadas “previsões” da qualidade do ar para o dia seguinte, para os poluentes PM10 e O3, elaboradas com base em modelos estatísticos e determinísticos. 

 

 Estatísticas anuais 

  

As estatísticas anuais da qualidade do ar, calculadas com base nos dados registados nas estações da rede de monitorização da qualidade do ar da CCDR LVT no período de 2001 a 2018, estão sintetizadas no ficheiro abaixo:

    Estatísticas da rede de monitorização da qualidade do ar da CCDR LVT no período 2001-2018

 

Índices anuais 


Os índices anuais, calculados com base nas estatísticas anuais da rede de monitorização da qualidade do ar da CCDR LVT, correspondem a uma percentagem dos valores legislados (valor limite, valor alvo ou nível critico) e permitem comparar os resultados para diferentes poluentes e indicadores anuais. Tal como para o índice diário, disponibilizado na base de dados QualAr, na construção do índice anual utiliza-se uma escala qualitativa composta por 5 classes, classificando-se a qualidade do ar para um dado ano como muito má, má, média, boa e muito boa. A descrição do modo de cálculo e da forma de consulta dos índices anuais da qualidade do ar, e a sua apresentação, para o período de 2001 a 2018, através de tabelas e gráficos dinâmicos, estão disponíveis aqui:


   
Descrição dos índices anuais 

   Índices anuais da qualidade do ar para a rede de monitorização da qualidade do ar da CCDR LVT no período 2001-2018

 

Resultados da avaliação da qualidade do ar

 

  A análise, apresentada de seguida, pode ser consultada com maior detalhe nos seguintes relatórios:

  Relatório de avaliação da qualidade do ar na região de Lisboa e Vale do Tejo 2001-2013 

  Relatório de avaliação da qualidade do ar ambiente na região de Lisboa e Vale do Tejo em 2014

  Relatório de avaliação da qualidade do ar ambiente na região de Lisboa e Vale do Tejo em 2015 

  Relatório de avaliação da qualidade do ar ambiente na região de Lisboa e Vale do Tejo em 2016

  Relatório de avaliação da qualidade do ar ambiente na região de Lisboa e Vale do Tejo em 2017

  Relatório de avaliação da qualidade do ar ambiente na região de Lisboa e Vale do Tejo em 2018

 

As concentrações dos poluentes atmosféricos, registadas nos últimos anos nas estações da RMQA LVT, indicam que a qualidade do ar é boa em grande parte do território da RLVT, existindo no entanto algumas áreas onde se continuam a verificar situações de incumprimento dos objetivos de qualidade do ar para a proteção da saúde humana, definidos para alguns poluentes. Em termos de evolução, tem-se verificado uma tendência de decréscimo das concentrações para a generalidade dos poluentes.

 

MáximoEstacoesampliar +

Máximo das Estações

 

MédiaEstacoesampliar +

Média das Estações

 

As concentrações dos poluentes partículas PM10, dióxido de azoto (NO2), ozono (O3) e dióxido de enxofre (SO2), registadas nas estações da rede de monitorização da qualidade do ar (RMQA LVT) da CCDR LVT no período de 2003 a 2018, evidenciaram, em alguns anos e em algumas estações, situações de incumprimento dos objetivos de qualidade do ar para a proteção da saúde humana, definidos no Decreto-Lei nº 102/2010, de 23 de setembro.

 

As situações de ultrapassagem dos limites fixados para o NO2 têm-se verificado nas zonas de maior tráfego da cidade de Lisboa, salientando-se como situação mais crítica a ultrapassagem do valor limite anual do NO2 na estação da Av. da Liberdade.

 

NO22001_2018
ampliar+

NO2

Para as partículas PM10, as situações de incumprimento do valor limite diário têm ocorrido em alguns anos nas áreas de maior tráfego rodoviário da cidade de Lisboa (representadas pela estação da Av. da Liberdade) e áreas industriais como Paio Pires. No início do período em avaliação, os incumprimentos eram mais generalizados e ocorriam também para o valor limite anual, tendo-se verificado uma evolução muito positiva nas concentrações deste poluente, uma vez que em alguns dos anos mais recentes não se registou o incumprimento dos valores limite deste poluente em nenhuma das estações da RMQA LVT.

 

PM102001_2018ampliar+

PM10


Para o O3 tem-se verificado, repetidamente, a ultrapassagem do valor alvo para a proteção da saúde humana na estação rural de fundo da Chamusca, localizada na zona do Oeste, Vale do Tejo e Península de Setúbal. Pontualmente, no período de Primavera-Verão, observam-se também concentrações elevadas deste poluente em diversas estações da RMQA LVT, com ultrapassagem do limiar de informação, em dias de condições meteorológicas particulares, caracterizadas por temperaturas elevadas, forte radiação solar e estabilidade atmosférica.

 

O32001_2018ampliar+

O3


As excedências aos valores limite legislados para o SO2, observadas durante alguns anos apenas na aglomeração da AML Sul (zona industrial do Barreiro), deixaram de se verificar em 2009, sendo atualmente os níveis registados em todas as estações da RMQA LVT muito baixos.

 

Para os poluentes benzeno (C6H6), partículas PM2.5 e monóxido de carbono (CO) não se têm registado incumprimentos legais, sendo os níveis observados muito inferiores aos limites legislados. Idêntica situação verifica-se para os poluentes SO2, óxidos de azoto (NOx) e O3 relativamente aos objetivos fixados no mesmo diploma para proteção da vegetação.

 

 

NO2 


Fechar